O Medo é a única emoção que nos limita…

Estamos diante da nova era, a era do masculino, na qual o homem pode mostrar o quanto é sensível e tem o direito até de chorar, ele não é mais responsável pela mulher, não tem a obrigação de pagar as contas sozinho, mas dividi-las.

Ele se torna responsável em participar da vida social, política, espiritual e principalmente familiar… Em resumo… Homem atual nasceu para saber se cuidar, e não para pagar para que uma mulher o cuide, coisa que aconteceu nesses últimos 7.000 anos

Hoje o homem pode se cuidar, merece saber se cuidar e se ainda não aprendeu, aprenda, desenvolva e tenha o prazer deste novo padrão de ser livre, acabar com a dependência que o faz ficar inseguro e infeliz… A mulher busca a igualdade nos papéis… “O masculino também o busca”.

Cada gênero defende seu direito de se sentir realizado e feliz, para isso temos que deixar evidente que o gênero feminino foi condicionado a cuidar da prole e na maioria das sociedades a cultura em relação a esse gênero foi quase que totalmente castrado, ensinado e obrigado a obedecer às imposições do “sexo forte”, o provedor retinha todo o poder, todas as ferramentas (Sabedoria, Poder, O dinheiro) para impor o domínio sobre o chamado sexo frágil, ou seja, uma sociedade imposta por valores masculinos.

Nesta nova era não apenas o masculino sofre com o machismo a que foram condicionados, mas a liberdade, a independência, a insegurança e o desapego são adjetivos que a maioria das pessoas buscam para se sentirem felizes.

Para eles era liberdade ter a outra, mas para elas não era aceito ter outros parceiros, se assim o fizessem eram excluídas da sociedade e tidas como promíscuas.

Ainda hoje em dia mulheres que mantém relacionamento duplo são vistas de tal maneira, mas para os ditos HOMENS, quanto mais melhor, e assumem sua postura de Sultão numa sociedade tida como monogâmica. Alguns mais liberais deixam bem claro e avisado que deves ser discreta com seus relacionamentos, “como? Não entendi?”

A exigência masculina em relação à parceira só muda de nome:

– De liberdade para discrição…

Compreendo que o que todos querem é se sentirem amados e amando, mas será que o amor dói?

Dependendo dói e muito… Principalmente quando essa tal liberdade concedida pelo masculino é vista pelo feminino como indiferença.

Vai visitar sua mãe hoje? Quer dinheiro para ir ao shopping? Huuummmm! Claro! Ele (a) quer sair!

A liberdade nesse caso funciona, pois concedestes a liberdade ao outro, mas depois, Huuummmm! O questionário que ele (a) faz é de três livros e meio, que sobreviverão dias, mas se ele (a) não perguntar nada, a dedução é que ele (a) não me ama mais.

Esfriou! O relacionamento congelou!

Pois claro está que nos aprisionamos nas exigências dos outros por causa do medo de encarar os sentimentos, se sentir rejeitado (a).

Acredito que não devemos exigir do outro o que não temos para dar, e exigências sempre são limitadoras do prazer de dar e receber reconhecimento com GRATIDÃO!

Mas se concedo ao outro a liberdade é porque posso concedê-la a mim.

Aí adeus insegurança!!!! Aceito todos igualmente como são, pois aceito a mim em primeiro lugar.

Claro é que se não tenho a liberdade não posso dá-la. Se quiser ser livre tenho que me libertar das amarras que construí para mim em primeiro lugar, pois o amor não é um objeto para ser conquistado…

O amor é algo que apenas podemos dar e quanto mais darmos incondicionalmente, mais teremos em abundância.

O amor não dói, é perdão…, perdoar dói? Não! O perdão liberta…

Perdão é entrega e aceitação do momento presente exatamente como ele é, nem mais nem menos é uma medida exata.

Dar o primeiro passo para a liberdade e a segurança é o maior ato de amor que podemos conceder á nós mesmos.

Para vivenciarmos a liberdade, a segurança e tantas outras qualidades, devemos em primeiro lugar fazer escolhas, decidir o que queremos e aceitar que o merecemos e além do mais acreditar que podemos tê-lo.

O medo é a única emoção que nos limita e por isso controla todas as nossas experiências de vida.

Todas as pessoas gostariam de Ser, Fazer ou Ter experiências diferentes daquelas que normalmente têm. No entanto, algo as paralisa na obtenção desse desejo, que de outro modo já estaria realizado. quiser ser livre tenho que me libertar das amarras que construí para mim em primeiro lugar, pois o amor não é um objeto para ser conquistado…

O amor é algo que apenas podemos dar e quanto mais darmos incondicionalmente, mais teremos em abundância.

O amor não dói, é perdão…, perdoar dói? Não! O perdão liberta…

Perdão é entrega e aceitação do momento presente exatamente como ele é, nem mais nem menos é uma medida exata.

Dar o primeiro passo para a liberdade e a segurança é o maior ato de amor que podemos conceder á nós mesmos.

Para vivenciarmos a liberdade, a segurança e tantas outras qualidades, devemos em primeiro lugar fazer escolhas, decidir o que queremos e aceitar que o merecemos e além do mais acreditar que podemos tê-lo.

O medo é a única emoção que nos limita e por isso controla todas as nossas experiências de vida.

Todas as pessoas gostariam de Ser, Fazer ou Ter experiências diferentes daquelas que normalmente têm. No entanto, algo as paralisa na obtenção desse desejo, que de outro modo já estaria realizado. O que é que nos impede de estarmos felizes?

Precisamente o fato de não materializarmos os nossos desejos.

E porque não o fazemos?

Por causa do medo! De que se fizer o que eu quero o outro fará também e eu não quero que ele faça o que eu faço!

Então tenha para com os outros atitudes respeitosas, não espalhe mais infelicidade no mundo, faça para os outros aquilo que gostarias de ter para ti mesmo e aceite receber, dê a si mesmo este prazer de ser LIVRE! E cheio de atitudes amorosas.

Liberte-se!

Sucesso!

Todo o problema é o querer se livrar do problema…

Temos reprimido muitas coisas ao longo dos anos, não passamos de um monte de repressões acumuladas sobre camadas de inconsciência.

Algumas coisas devem ser entendidas:

A tensão só se instala quando queremos nos livrar do problema, da situação do momento presente, é uma profunda resistência ao momento presente como ele é.

Quando resistimos ao momento presente uma segunda tensão se instala em nós, agora ficamos tensos porque não conseguimos relaxar.

Então nos movemos numa regressão infinita, e ocorre aí uma grande frustração pela vida, uma resistência ao que é uma frustração por não ter conseguido atingir seus objetivos, e quando os atinge não está completamente feliz, sente que lá no fundo está faltando alguma coisa.

A tensão se instalou e nos vemos completamente identificados com a situação e uma grande necessidade de se livrar dela; agora todo o problema se tornou à necessidade de se livrar do problema, o problema, e o querer se livrar do problema; o problema em si não é o problema, mas o querer se livrar dele é todo o problema.

Quando temos um problema o dividimos em duas partes o problema e o desejo de se libertar dele.

Liberdade, paz, harmonia, é uma profunda aceitação de não fazer nada além de perceber e aceitar o momento presente exatamente como ele é.

Se permitires que as tensões, as repressões, seus desejos mais profundos se tornem conscientes, te libertas deles, livra-te do peso destes condicionamentos, eles evaporam, desaparecem, e então te libertas de milhares de anos de condicionamentos individuais e coletivos.

Ao percebermos a tensão, estamos dando o primeiro passo para o bem estar vital à vida, para a harmonia, para a felicidade, para a calma, para a iluminação, mas ainda é o primeiro passo.

Quando apenas percebemos a situação, sem interferir, sem julgar seja lá o que for se permanecermos como um espectador, um observador apenas; passamos a experimentar a vida por completo, nos rendemos ao divino, nos desidentificamos do mundo das formas e acessamos um espaço de plenitude, um poder, uma confiança, uma certeza e fé, uma calma e paz.

É uma grande experiência descobrirmos quem somos voltar-nos para dentro de nós mesmos é sentir a paz que nunca nos abandonou e que não tem como nos deixar, apenas por um momento de inconsciência nos deixamos enredar por pensamentos desarmônicos e só perdemos a paz quando estamos enredados em tais pensamentos, portanto a paz não é algo que podemos perder, ela já está em nós.

Quando vivenciamos esta paz estamos dando um passo para a iluminação acessamos um poder imenso, mas este poder não acontece de uma maneira forçada, acontece naturalmente, não é preciso fazer nada, é uma explosão, um acontecer, um despertar!

Saiba qual é seu verdadeiro problema?

Um homem que após dois anos de sua aposentadoria apresenta um quadro de câncer. Uma mulher que não sabendo expressar sua raiva desenvolve um distúrbio gastrointestinal. Uma criança, que protesta através de sua febre. O corpo fala através de suas doenças, de seus órgãos, de suas aflições. Toda angústia psíquica pode gerar seu equivalente somático, sendo então a doença uma manifestação das dificuldades emocionais, frente as quais o paciente encontra esta forma de expressão.

O corpo, em suas dores, se transforma em um mapa dos acidentes emocionais do indivíduo. Não falaremos mais então de doenças e sim do “doente”, pois nossas dores dizem quem somos e de nossas aflições. Um terço de todas as doenças, são de origem exclusivamente Psicossomática e o outro terço, apesar da existência de uma determinação orgânica, possui fortemente o fator psíquico influenciando em sua evolução.

Apesar da determinação emocional das doenças terem sido quase completamente esquecida, em prol de um mecanismo onde o indivíduo não mais era visto de forma sistêmica, mas dissecado, repartido, como se as partes funcionassem de forma independente do todo, a tendência atual da medicina é se tornar um estudo Psicossomático, onde a variável será o grau de determinação Psíquica ou orgânica, envolvida em cada quadro patológico. O diagnóstico da Doença Psicossomática não deve ser realizado apenas pela exclusão da possibilidade orgânica, mas por suas próprias características. O estudo da personalidade do paciente é tão importante, quanto todos os exames clínicos e laboratoriais.

Podemos então dividir estas patologias em dois grupos:

• Os pacientes que não apresentam uma doença física definida que possa justificar uma moléstia, e que não tenha sido diagnosticado como uma doença orgânica, não significa a inexistência da doença. Ele não deve abandonar e nem ser abandonado dentro de sua sintomatologia.

• Pacientes com sintomas orgânicos presentes, mas influenciados por fatores emocionais (cardiopatias orgânicas, por exemplo) onde o fator psíquico já acarretou um dano físico ou influencia na evolução e na incidência do mesmo, quando fatores emocionais estão associados a doença orgânica atual pouca atenção é dispensada os fatores emocionais. Erroneamente tratam-se os pacientes como se seus sintomas físicos fossem suficientes para explicar a doença.

Assim como não se deve eliminar o tratamento da doença orgânica quando se trata de pacientes com somatização, não se podem eliminar os fatores psicológicos envolvidos na evolução das doenças orgânicas. Conhecer a capacidade do paciente em se ajustar a determinadas situações na vida, seu padrão de reação, grau de angústias, a natureza e a gravidade de seus conflitos, são conhecimentos indispensáveis na elucidação diagnóstica e na consideração da estratégia terapêutica mais adequada.. As emoções também falam através do corpo e dos sintomas. Não adianta atacar com remédios uma série de sintomas inespecíficos, enquanto o verdadeiro problema se encontra no Inconsciente do paciente. E o estudo Psicossomático é exatamente isto, uma possibilidade de se conhecer o paciente de forma integral, onde o sintoma é conseqüência de multifatores, inclusive ou talvez, principalmente os emocionais.

A Inconsciência Secreta – Noite de autógrafos

Após o lançamento do livro A Inconsciência Secreta no último dia 19, em São Paulo, convido você para a noite de autógrafos em Itapetininga.

Será um imenso prazer recebê-lo na Livraria Nobel do Itapetininga Shopping, em 10/08/2012, das 18:30h às 21:30.

Veja as fotos da noite de lançamento do livro clicando aqui.

Psicoterapia na mulher mais velha do mundo

Matéria exibida pela RPC (Afiliada Rede Globo)

Festa de aniversario de seus respeitosos 129 anos de vida, neste ultimo dia 28 de fevereiro de 2009 estivemos atendendo nossa querida conterrânea de Itapetininga Srª Maria Olívia da Silva.Pela segunda vez ao atende -lá Srª Oliva sempre uma honra e uma admiração pela sua historia de vida, um caso exclusivo onde aprendemos ainda mais sobre o comportamento humano.Embora cansada de seus dias de vida, agradece a Deus por tudo que já passou, é um verdadeiro exemplo de comportamento humano, carrega em sua compreensão que tudo aconteceu no momento certo, acredita que a engrenagem divina não falha, basta ter paciência e fé que as coisas acontecem.

A psicoterapia aplicada no atendimento de dona Maira foi à busca dos registros emocionais que marcou sua historia, pois relatou acontecimentos relevantes de sua jornada, a infância dura que sobreviveu tendo que trabalhar na roça ainda criança, sem remuneração sem expectativa de melhora, lembra dos escaldantes dias ensolarado trabalhando na colheita manualmente.Na época não se falava em estudos, tão pouco sobre trabalho infantil, a busca de seus registros a trouxeram um alivio mental, pois pode sentir que o passado não pode mais o fazê-la sofrer, pois já passou! O que importa é o agora em sua vida, o que ela sente em relação ao passado faz a grande diferença em sua vida hoje, seus sentimentos mudam a partir do reconhecimento mental que suas atitudes de sofrer pelo passado é uma anomalia do estado da inconsciência, no estado de consciência plena o passado perde sua principal característica. Não alimentar as magoas do passado a deixou tranqüila e serena, basta reconhecer que tudo já passou e nada volta atrás e o importante mesmo é a liberdade emocional de estar feliz, aprendeu que pode ser feliz agora sem esperar o futuro. Isto é um simples resumo da vivencia que tivemos da terapia com Srª Maria Oliva da Silva em sua casa na cidade de Astorga PR

Regressão de Memória

Saúde da Vida Psicoemocional

Save é um método inovador criado para despertar a consciência e reparar os danos causados pela inconsciência humana, sua base tem uma envergadura muito forte em casos clínicos em atendimento real, e seu mapa de informação psicológica, a junção da terapia com a medicina e psicologia evoluiu para o nascimento desta ferramenta que tem ajudado muitas pessoas.

Este método busca o equilíbrio natural humano, seu fisíco, mente, consciente, inconsciente e inconsciente secreto.

Tratamento das influências biológicas, mente reativa, associação da mente entre o passado e o presente, aprender a aceitar a felicidade no Agora e a descoberta de um novo horizonte lógico e pratico a seguir.

Toda terapia é de forma consciente sem nenhum tipo de hipnose ou vinculo religioso, basta olhar para dentro de si mesmo e saberás que tudo que precisa para sua felicidade esta ai, comece a aprender uma nova formula par encarar suas dificuldades.